Free songs

7 – A PALAVRA DE DEUS (Trombeta) QUER TE LEVAR A SER UMA BÊNÇÃO

 

7 – A PALAVRA DE DEUS (Trombeta) QUER TE LEVAR A SER UMA BÊNÇÃO

 

Vamos abrir nossa Bíblia em I Coríntios Capítulo 14 versículo 7 ao 10:

Ora, até as coisas inanimadas, que emitem som, seja flauta, seja cítara, se não formarem sons distintos, como se conhecerá o que se toca na flauta ou na cítara? Porque, se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha?Assim também vós, se com a língua não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que se diz? Porque estareis como que falando ao ar. Há, por exemplo, tantas espécies de vozes no mundo, e nenhuma delas sem significação.

O que está dizendo aqui?  O Apóstolo Paulo, já preocupado… Com certeza o Espírito Santo… Deus já sabia da dificuldade que ia existir para a Igreja.   A maior dificuldade da Igreja, sem dúvida nenhuma, é entender Deus.  A maior dificuldade que a Igreja tem é de observar, acompanhar o que Deus faz, o que Deus está fazendo ou o que Deus fez.   Os caminhos de Deus não são os nossos caminhos, os pensamentos de Deus não são os nossos pensamentos.  É muito difícil para nós acompanharmos.

O que é Deus? Uma vez fizemos esta pergunta:  Quem é Deus? Deus é um ser semelhante a nós e há uma diferença enorme entre nós e Ele.  Ele é um ser bem semelhante a nós, esteve no nosso meio, comeu no nosso meio, viveu com a gente, mas há uma diferença enorme entre nós e Deus. Que diferença é essa?  É que Ele é Deus.  Ele pode tudo, por isso Ele é Deus. Ele tem uma força que ninguém tem, por isso Ele é Deus.  É um ser semelhante a nós,  que sente, chora, caminha,fala, escuta; mas Ele é Deus.   E a diferença é exatamente por causa disso.  Estes dias eu fiquei pensando, andando pela rua igual a um louco, pensando por que Ele era Deus.  Tem um versículo que diz: Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus (Salmo 46:10)”.   Às vezes, ficamos afobados, ficamos confusos com relação a Ele, e Ele nos diz: “Não se esqueça que eu sou Deus”.  E eu fiquei pensando porque Ele era Deus, e eu fui obtendo estas respostas.  Realmente, Ele é Deus porque Ele pode tudo; porque Ele é o principio e o fim; pois antes Dele nada se fez, depois Dele nada vai existir; ninguém manda Nele; ninguém dá ordem para Ele; se Ele fecha, ninguém abre; se Ele abre, ninguém fecha, por isso Ele é Deus.  Ele é Todo Poderoso.

O diabo quis ser pelo menos igual a Ele.  Tanto é que até hoje ele insiste, ele é teimoso, aliás, nós temos um pouco da natureza dele, por isso que nós somos assim, teimosos. Ele vai assentar no Trono de Deus como se fosse Deus (II Tes. 2:4), querendo ser Deus.  Mas ele não vai ser Deus.  Por que não vai? Porque ele (o diabo) não pode tudo.  O diabo pode muito, é capaz de muito mais do que nós (homens); mas ele não pode tudo.  E Deus?  Deus tudo pode. “Se você está do Meu lado, se você confia em Mim, se você acredita em Mim, “fica frio”, Eu estou acima deste que perturba você, Eu estou acima deste que resiste você, Eu estou acima deste que quer destruir você, Eu sou Deus.  Você tem que confiar em Mim, acreditar em Mim.”  Daí a dificuldade de se acreditar em Deus; é muito difícil, não é fácil não.   A gente fala, mas quando a coisa vai apertando, vai chegando, você vai vendo o quanto é difícil acreditar em Deus.  Quanto mais aperta, quanto mais aproxima, mais difícil fica acreditar em Deus.  Hoje eu dou razão para Jó, quando Jó brigou feio com Deus; porque ele começou a questionar a atitude de Deus, o comportamento de Deus. 

O Apóstolo Paulo dizia assim: “Ora, até as coisas inanimadas, que emitem som, seja flauta, seja cítara”  se elas não tiverem um som certinho, ninguém vai entender.  Se começar uma “bateção”, tocar de qualquer jeito aqui, ninguém vai entender, ninguém vai saber o que está acontecendo aqui.   Mas, se os sons saírem certinhos, nós vamos logo saber qual é a música.  Se não tocar um som certo, que as pessoas possam entender, ninguém vai cantar. O que Paulo está falando aqui?  Ele chegava na reunião e via o pessoal orando em língua, e Ele via que isso não era bom.  Não é bom por quê? Porque ninguém está entendendo nada. E o que vai acontecer? Na hora que você precisar, na hora que você realmente tiver que entender, às vezes a oração em língua não vai resolver.  Por isso Paulo dá a orientação à Igreja de Corinto que é mais importante entender o que está acontecendo.  “Eu prefiro falar com vocês de uma maneira que vocês entendam do que orar em língua; orar em língua e ir embora sem vocês entenderem nada?

O que nós estamos querendo dizer com isso? Estamos querendo dizer o seguinte: Porque, se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha? A trombeta tem que dar o som certo, porque, senão, ninguém vai se preparar para a batalha.

Vamos abrir agora em Apocalipse Capítulo 8, versículos 1 e 2.

Quando abriu o sétimo selo, fez-se silêncio no céu, quase por meia hora. E vi os sete anjos que estavam em pé diante de Deus, e lhes foram dadas sete trombetas.

Os sete anjos estavam ali diante de Deus esperando a hora de tocar a trombeta.  Aí veio o primeiro anjo (vs 7), o segundo anjo (vs. 8), o terceiro anjo (vs.10), o quarto anjo (vs.12), o quinto anjo (cap. 9 vs. 1), o sexto anjo (cap. 9, vs. 13), o sétimo anjo (cap.10 vs. 1).  No versículo 4, 5 e 6 do capítulo 10 diz:

Quando os sete trovões acabaram de soar eu já ia escrever, mas ouvi uma voz do céu, que dizia: Sela o que os sete trovões falaram, e não o escrevas.  O anjo que vi em pé sobre o mar e sobre a terra levantou a mão direita ao céu, e jurou por aquele que vive pelos séculos dos séculos, o qual criou o céu e o que nele há, e a terra e o que nela há, e o mar e o que nele há, que não haveria mais demora…

Cada trombeta seria tocada numa época certa, no seu tempo certo.  Essa trombeta que Paulo estava falando (I Cor. 14:8) era exatamente isso.  As dificuldades que nós teríamos para localizar a época certa, o toque certo da trombeta.  Nós estamos vivendo o Apocalipse.  Então, nós temos que localizar tudo o que está acontecendo.  Então, o anjo tocou a trombeta e o que tinha que acontecer, aconteceu.  Vejamos então um exemplo: Um dia Jesus teria que morrer na cruz.   Estava escrito lá atrás que um dia um homem iria morrer na cruz; que um dia uma virgem daria à luz  um filho; isso já passou.  O homem que era para morrer na cruz já morreu, a virgem que daria a luz, já deu a luz; mas tem muita coisa que não aconteceu ainda, tem muita coisa que, se nós não percebermos, passam e nós não percebemos.  Por exemplo: muita gente não percebeu que Jesus veio, que Jesus morreu, que Jesus ressuscitou;   muitas pessoas não perceberam; mas muita gente viu, mais de quinhentas pessoas viram Jesus depois de ressuscitado.  Muita gente não viu João Batista.  E as coisas estão acontecendo, elas continuam acontecendo.

O Evangelho nos chama muito a atenção para isso: “não dorme”, “fica alerta”, “cuidado com isso”, “cuidado com aquilo”,  por que este alerta? Porque as coisas podem passar e nós não percebermos, ou seja, você não se prepara, pois não ouviu a trombeta tocando, você não percebeu a coisa acontecendo e aí você não prepara. Passa o tempo e depois nós vamos lamentar, profundamente tristes, por não ter aproveitado o tempo da  visitação de Deus.  Muitos não aproveitaram o tempo do quarto anjo, do quinto anjo, do sexto anjo… Quem sabe, nós também não estamos desperdiçando, não estamos dando o crédito necessário à visitação de Deus?  Porque a maneira como Deus visita a Igreja pode passar despercebida e nós não vemos, não percebemos que Deus visitou o seu povo, que Ele esteve, falou…  Visita diz respeito de alguém que não veio para ficar. Por exemplo: No movimento pentecostal houve uma revolução na Igreja;  ele abalou toda a estrutura religiosa; mas ele não veio para ficar, foi só uma visitação de Deus.  Visita é algo que não acontece a todo tempo; você vai, fica ali algum tempo e depois você sai.  Quem aproveitou quando Deus visitou a Igreja com aquele movimento?  Que foi uma bênção!  Mas eu acredito que hoje nós estamos vivendo os dias da voz do sétimo anjo.  Desde quando  começamos a falar disto,  entendemos que estamos nos dias da voz do sétimo anjo.  E tem coisas que são para acontecer nos nossos dias.  Uma das coisas que vai acontecer na voz do sétimo anjo com relação à Igreja, uma das mais importantes,  é que a Igreja vai vestir-se de branco.  Namorado nenhum exige da noiva vestir-se de branco antes do casamento.  Da noiva, você exige que ela se vista de branco na hora do casamento.  Então, uma coisa que a Igreja precisa entender é que na voz do sétimo anjo foi dado à Igreja vestir-se de branco.   E o que é a veste branca? São os nossos atos.  Então, não tem pra onde a gente correr. Ou você está vestido de branco, esperando a hora do casamento, ou você está se virando para vestir-se de branco. São os nossos atos,  nossas atitudes.

Então, tem que tocar uma trombeta muito bem tocada. Às vezes, você não sabe nem pra que rumo a trombeta está tocando.  Aí, a sua oração, a oração que você for fazer, ela não tem sentido.  Então, que oração você vai fazer?  Será que o católico está fazendo a oração certa?  Será que o batista está fazendo a oração certa?  Será que o ‘assembleiano’ está fazendo a oração certinha?  Se eu não sei o que está acontecendo, como eu vou fazer  a oração correta? O que está acontecendo no mundo espiritual, o que está acontecendo com a Igreja.  Aí,  nós dormimos, descansamos, relaxamos, acomodamos…

Deus sempre teve a necessidade de guiar o povo, sempre esteve guiando o povo.  Quando Ele falava através do profeta, estava guiando indiretamente; Ele nunca deixou de guiar, de dirigir o povo.  Então, nos dias da voz de cada anjo, da mesma forma, Ele falou.  Então, a trombeta é uma palavra de Deus.  “Mas nos dias da voz do sétimo anjo”; a voz do sétimo anjo é uma palavra de Deus. Um exemplo é quando nós estávamos na Comunidade Evangélica; ela tinha mais ou menos quarenta ou cinqüenta pessoas, e era uma direção de Deus, era uma palavra de Deus, era o que Deus queria que fizesse.  Tinha gente de todos os lugares, Assembléia, Metodista, etc.  Juntou aquela turma que começou a buscar a Deus, fazendo orações, súplicas.  Elas não gostavam nem de bancos para fugir dessa característica maligna que é a religião.  Nas reuniões da Comunidade era todo mundo orando, uma, duas horas, ninguém queria ir embora.   Dentro de pouco tempo passou de quarenta para oitocentas pessoas.   De repente as coisas começaram a mudar, e a palavra não era a mesma, ela foi mudando.  Dentro de quatro anos eram mais de oitocentas pessoas e igrejas espalhadas por todo o Brasil; em todo lugar tinha uma Comunidade Evangélica.   Foi uma visitação, um movimento tremendo. Esse louvor que nós temos hoje, esse  jeito de louvar a Deus, isso se deve a Comunidade Evangélica.  Muita coisa que nós temos hoje se deve a Comunidade Evangélica.  Aí, Deus começou a alertar a Comunidade: “Vocês estão deixando a palavra, vocês estão desviando da palavra.” Cerca de oito anos depois de Deus avisar, o que aconteceu?  A Comunidade Evangélica desapareceu, deixou de existir.  Hoje não existe mais a Comunidade Evangélica;  hoje existem dois ministérios diferentes; a Comunidade desmanchou.

Quando vermos a barba do vizinho arder, devemos colocar a nossa barba de molho.  Deus nunca deixa a Igreja sem orientação, sem direção; só que, quando Ele sai, Ele sai pra valer.  Deus insiste conosco e não é pouco; mas o dia que Ele sai é porque Ele já aconselhou, Ele já avisou, Ele já orientou muito, já deu conselho demais, já fez todo esforço; e de repente você não O vê mais. Como aconteceu na Comunidade, ninguém esperava que isso fosse acontecer.

Eu pergunto a você hoje: “Se ouvirdes a voz de Deus não endureçais o teu coração”.  Você sabe pra que rumo nós estamos caminhando? Será que a Igreja está atenta a tudo o que Deus está falando?   Ou não?  Você concorda, Ramiro? Godoy, Adriano, principalmente aqueles que nós temos por colunas.  Será que nós estamos sabendo para onde estamos indo?  Para onde a Igreja está indo?   Às vezes, os mais novos não sabem para onde estão indo, mas os mais compromissados precisam saber para onde nós estamos  indo.

Em Romanos capitulo 10, a partir do versículo 8 está assim: “Mas que diz? A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração; isto é, a palavra da fé, que pregamos”.

Você concorda que a Igreja não sabe o que está pregando?  Muita gente não quer nem saber ou não está atenta, não está percebendo o que Deus está falando. Então, você não vai falar, não vai discutir, não vai dizer: “Deus falou isto esta semana, Deus falou aquilo, Deus está falando isso.” Ou não é a palavra de Deus?  Se não é a palavra de Deus, eu não entendo o porquê de você continuar aqui.  Agora, se é a palavra de Deus, também eu não entendo por que você tem feito tão pouco caso.  No versículo nove diz: “Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo”.   Quer dizer que em “teu coração” você não crê.  O que significa o coração?  É o amor que você tem àquilo que Deus fala.  Aquela vibração, aquela felicidade de que Deus falou; aquele amor é que leva você a divulgar.  Porque, quando você ama, você tem vontade de divulgar aquilo, de transmitir para os outros.  Aí Paulo diz: “se com tua boca confessares…” Como a Igreja vai confessar Jesus se ela não tem a palavra na boca?  E por que ela não tem?  É porque Deus não falou, Ramiro?   Falou, mas nós não ouvimos; falou, mas nós não recebemos a palavra, não acreditamos na palavra.

Mais para frente no versículo diz assim: “e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo; pois é com o coração que se crê para a justiça…” Justiça é a veste branca.  A mudança na sua vida, a veste branca,  vai depender  do seu coração.  Quem vai vestir é o seu coração.  É a certeza que você tem que “isto está certo”, é a certeza que você tem que “isto está errado”; é a certeza que você tem que deve ser feito assim.  E você vai amar aquilo; muitas vezes, penar por aquilo, porque você ama e quem ama sabe se doar, se dar.   Continuando no versículo onze (nós estamos tocando a trombeta, versículo por versículo) Porque a Escritura diz: Ninguém que nele crê será confundido.”  Isso é uma garantia para nós de que  não vamos ser confundidos.  Qual a garantia?  Se você creu, se você amou, se você recebeu a palavra que é a sua salvação, então você vai tocar essa trombeta.  Por que você não vai ser confundido?  Porque Deus  vai mostrar: “faz isso agora, olha isso aqui agora, presta atenção nessa palavra”; então você não vai ficar atento? Não é como no passado, que um falava para um lado, o outro para outro lado; um prega uma coisa, o outro prega outra.  Mas nos nossos dias não é assim.

As vestes brancas significam que nós estamos entendendo perfeitamente tudo o que Deus está fazendo.  A veste significa que eu estou vendo o bem e o mal; eu estou vendo a bênção e estou vendo a maldição; eu estou vendo o certo e o errado; os meus olhos foram abertos.

Falando sobre a bênção e a maldição, estes dias nós falamos disso, mas agora vamos falar de outra posição. Como eu escolho a bênção ou a maldição?  Como a gente escolhe?  Quando eu chego numa garagem e tem dez carros do mesmo jeito, do mesmo ano e aí eu tenho que escolher.  Eu tenho que usar de algum entendimento para escolher; optando por um detalhe como cor, acabamento, conservação… Então eu tenho opção de escolha.  A Igreja vai ter que aprender tudo, a Igreja dos nossos dias é uma Igreja que não pode deixar nada para trás; ela chegou à estatura do varão perfeito, ela alcançou a plenitude do conhecimento de Deus, ela vestiu de branco; Cristo habitou nela; não tem confusão.  Todo dia Deus tem nos mostrado uma coisa nova, todo dia Deus tem nos dado um entendimento novo; eu sinto que é uma coisa cada vez melhor que vem para enriquecer o nosso conhecimento.

Para mim escolher, é porque, no mínimo eu tenho duas opções; porque senão, eu não poderia escolher. E é agora que entra a dificuldade, eu tenho que escolher.  E onde é que nós aprendemos o que devemos fazer?   Pois eu preciso aprender o que devo fazer.  Deus tem colocado diante de nós a bênção e a maldição.  O aluno fica seis anos fazendo medicina, e, de repente, aparece o enfermo que precisa ser operado; com certeza ele vai precisar fazer alguma coisa, pois senão,  vai perder o seu CRM porque deixou o paciente morrer sem assistência médica.  E a minha preocupação é justamente essa, que as coisas estão chegando diante de nós e nós temos que fazer alguma coisa, nós temos que escolher.  E quem tem que escolher é você; você não tem que ligar para ninguém, não tem que perguntar para ninguém, você tem que escolher, você tem que aprender.  E onde nós vamos aprender? Nós estamos reunindo, cremos que Deus está no nosso meio e, de repente, vem o quê? Vem a prova.  Os filhos de Deus serão provados; a palavra de Deus vai cumprir.  Diante de mim vai estar a bênção e a maldição.  Se eu escolher a bênção, eu estou salvo; se eu escolher a maldição, vou me perder.  Se eu escolher a bênção, vou viver; se escolher a maldição, vou morrer.

Temos um exemplo bem interessante: uma pessoa coloca para o Valdemi e o Fernando um Fiat Pálio e um Corolla, e diz: “estes carros são para vocês dois; quem vai escolher primeiro?”  Se o Fernando escolher primeiro, será que isso não pode sujar as suas vestes? Será que não pode ser um pecado? Por que tem que ser o Fernando? Não poderia ser o Valdemi?  Não seria mais justo um “par ou ímpar”; lançar sorte entre os dois?  No “par ou ímpar” o Valdemi ganhou, talvez fosse melhor que ele não tivesse ganhado.  Estão vendo como são as coisas?   O que o Valdemi deveria ter feito? Ele deveria ter perguntado para Deus.  Ele teria que lançar mão do Espírito Santo; e Deus iria fazer ele lembrar de uma palavra, de um conselho, do Evangelho.  Olhe bem para você ver o que Deus está fazendo conosco.  O certo seria o Valdemi tomar uma atitude que traga para ele uma bênção, que iria enriquecê-lo, que iria colocá-lo numa posição melhor em relação a Deus.  Ele tem que se preocupar em tirar proveito da situação para melhorar com Deus. Não importa se é Palio ou se é Corolla, temos que estar de olho numa coisa muito melhor.  Eu vou fazer, nesta situação, uma coisa tremenda: “O que eu quero para mim, eu vou dar para o Fernando”.  Aí o Valdemi vai escolher o Pálio, e com isso ele vai ser abençoado, e o Fernando também; pois, na verdade, Deus queria abençoar os dois; e com isso,  os dois iriam ganhar.

Citamos também o caso de Ló e de Abraão, quando os dois estavam juntos e Abraão manda Ló escolher. Ló, ganancioso, olho grande, querendo levar vantagem, pois é algo normal do homem, escolhe a melhor parte. O que ele escolheu,  a bênção?  Se nós não estivermos acompanhando o que Deus está fazendo com a Igreja, se nós não estivermos em comunhão com Deus, se não estivermos atentos, o que pode acontecer?  Nós vamos perder a bênção.

O que é bênção? Bênção é aquilo que é bom para você, aquilo que vai ser útil para você.  É o ato de bendizer.  Na medida em que eu me torno uma bênção, eu coloco a mão numa pessoa e ela recebe um bem ou um mal? O bem, porque eu sou uma bênção. Como eu me tornei uma bênção? Sendo abençoado.  Na medida em que eu sou abençoado, eu abençôo.  A sombra de Pedro abençoava, o lenço de Paulo abençoava; se você sentasse onde Jesus estava sentado, você era abençoado, porque Ele era abençoado.  Eles foram abençoados de tanto abençoar. O que Deus diz? “Sê tu uma bênção”.  Então, está ficando difícil para a Igreja, porque nós temos que ser uma bênção; não tem alternativa para nós não, temos que ser uma bênção.

Todo aquele que invocar o Senhor será salvo da maldição, e vai se tornar uma bênção.  Mas como invocarão se não estiverem acreditando mais; como vamos invocar se não estamos mais acreditando.  Então nós vamos crer; vamos insistir; entender que o que Deus quer para nós é uma bênção, que é o melhor para nós, isso é que é bênção.  Fica com o Pálio, fica com o campo pior; o que você quer para você, faça para os outros… Vamos experimentar ser uma bênção, vamos abençoar os outros e vamos nos tornar abençoados.  Vamos aproveitar toda a oportunidade para sermos uma bênção.

Não podemos descuidar nem um pouquinho de Deus.  E orar: “Senhor, eu não quero estar fora da obra que o Senhor está realizando”.  Senão, de repente passa e eu não vi Deus passar; eu não vi as coisas acontecerem. E eu tive muita oportunidade de ser uma bênção.

Se a trombeta não tocar o toque certinho, você não vai ser uma bênção.  A palavra de Deus quer  levá-lo  a ser uma bênção; como Pedro e Paulo que foram uma bênção; como Jesus foi uma bênção, Tiago, Maria, José…

Se eu disser: “A Aninha é uma bênção”, o que eu estou querendo dizer? Que ela só faz o bem.  Nós ficamos procurando ver um mal que ela faz e ela só faz o bem.  A Bíblia diz que Jesus passou na Terra fazendo o bem; o que Jesus era? Uma bênção. O Carlinhos é uma bênção lá em Pires do Rio, o Fernando é uma bênção.  Nós vamos fazer de tudo para tirar da nossa vida aquilo que está nos amaldiçoando e não abençoando.  Às vezes é o seu chapéu que está nos amaldiçoando; às vezes as suas mãos; o que diz as escrituras? “Se o teu olho direito te faz pecar, arranca-o… (Mt 5:29)”.  O teu olho está te amaldiçoando, o que é melhor? A sua mão está te amaldiçoando, não tem permitido que você seja uma bênção. Amém!

Eu espero que você tenha compreendido, porque temos esforçado para que o sonido da trombeta saia de maneira que você entenda, que você perceba.  “Hoje Deus falou comigo, Ele me chamou a atenção.  Ele não me jogou fora, Ele não me excluiu da Igreja, Ele só disse para eu ser uma bênção”.

Nos dias de hoje não basta ser apenas freqüentador de igreja.  Agora é Cristo em nós; nós vamos ter que ser a bênção.

ORAÇÃO:  Amém Jesus! É verdade.  E se isso é verdade, que o Senhor possa confirmar e fazer com que a Igreja que está aqui seja uma bênção.  Por que ela teria que ser uma maldição?  Por que as nossas mãos não podem ser uma bênção? Por que as palavras da nossa boca, os nossos olhos não podem ser uma bênção?  Eu sei que nós estamos muito longe do Senhor, dos Apóstolos… O Senhor está nos dando a oportunidade de sermos uma bênção.  O Senhor está querendo, está nos chamando.  Se o Senhor, nestes dias, está colocando diante de nós o bem e o mal, então eu quero dizer ao Senhor que mesmo sem saber o que fazer, confessando ao Senhor toda a fraqueza, todo o medo de pecar, de errar, eu quero, com toda  a humildade, dizer ao Senhor que, se for possível, faça de mim uma bênção.  Que eu seja uma bênção.  Pois até agora, todo o meu esforço foi no sentido de abençoar, de fazer o bem aos meus irmãos; mas se algum mal foi feito, perdoa-me Senhor; pois foram feitos por causa da minha ignorância, pelo pouco entendimento, pela distância que existe entre nós e o céu; mas nós queremos o céu.  Nós queremos abençoar para nos tornarmos uma bênção.  Queremos ser a salvação, o caminho, a luz, o consolo, a força para os nossos irmãos.  Obrigado Jesus, tenha liberdade de edificar as nossas vidas.  Pai que está nos céus, muitas coisas ainda não podemos entender; muitas coisas ainda não estão ao nosso alcance; mas iremos após o Senhor, seguindo os seus passos, ouvindo cada palavra, cada orientação que o Senhor nos tem dado.  Tu és a nossa salvação. Amem!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>